Sabe identificar os sintomas da depressão ou como ajudar alguém? Esta doença silenciosa é mais perigosa que a maioria das doenças comuns. A diferença é que ao invés de trazer dor física como qualquer outra doença, trás uma dor insuportável para a mente da vítima. Com o tempo, tanto a sua saúde mental como física estão degradadas. Isto, se nada se fizer a tempo para impedir isso. E é aí que você pode fazer a diferença. Aqui neste artigo vai poder perceber como identificar alguém assim como o que pode fazer para ajudar essa pessoa.

Se pretender entender melhor o que é a depressão, assim como as suas causas, pode consultar o nosso artigo anterior sobre a depressão.

Sintomas da depressão

Não deixe a depressão ser mais forte que você
Não deixe a depressão ser mais forte que você

Por mais que uma pessoa que sofra de depressão tente esconder os seus sintomas, quer seja por vergonha ou por não querer ser o centro da atenção e preocupação de toda a gente, há sempre sintomas que são visíveis e aos quais devemos estar atentos. Nem todos os sintomas os relacionamos diretamente ao estado depressivo, mas eles são:

  • “Vazio” persistente e um humor triste.
  • Diminuição da energia e da vontade que tinha anteriormente por certos hobbies e tarefas.
  • Irritabilidade.
  • Pensamentos relacionados com suicídio.
  • Problemas de concentração e memória.
  • Problemas relacionados com o sono (podendo ser insónias, dificuldade para acordar ou dormir pouco).
  • Tudo se torna mais lento: Desde reações motoras a pensamento.
  • Cansaço excessivo.
  • Redução do apetite sexual.
  • Queixas comuns como dor no peito, taquicardia e mau estar intestinal.
  • Pessimismo em geral, quer seja acerca de si como as coisas que o rodeiam.

Apresentar algum destes sintomas não significa obrigatoriamente que a pessoa em questão sofre de depressão. Até porque muitos podem ser resultado de stress, bem como de algum acontecimento externo. Por outro lado, apresentar vários sintomas já é um sinal de alerta. Mesmo que não se trate de uma depressão, há algo que esta mal e precisa de ser tratado.

Diagnóstico

Cuide de si, cuide dos seus
Cuide de si, cuide dos seus

Nem todas as pessoas vão apresentar os mesmos sintomas, da mesma forma que há pessoas que vão apresentar uma maior quantidade de sintomas do que outras. Neste ponto, o melhor a fazer é ajudar a pessoa a procurar aconselhamento médico. Só um profissional de saúde consegue fazer um diagnóstico adequado levando em conta o estado do paciente e outros fatores como historial familiar. Mas na depressão podemos encontrar vários subtipos.

Subtipos de depressão

  • Depressão psicótica: É um quadro gravecaracterizado pela presença de delírios e alucinações.
  • Depressão Bipolar: A maioria dos pacientes bipolares inicia a doença com um episódio depressivo. Quanto mais cedo se instala o episódio depressivo, maior a probabilidade de que o paciente seja bipolar. Outros indícios são antecedentes familiares e consumo de drogas, tanto lícitas como ilícitas.
  • Depressão secundária: Este tipo de depressão é maioritariamente causado por efeitos secundários de medicamentos.
  • Depressão sazonal: Este estado clínico varia conforme as estações do ano. O paciente inicia o estado depressivo no outono ou inverno, e na primavera desaparecem os sintomas, sendo muito incomum o estado depressivo no verão.
  • Depressão endógena: Este subtipo de depressão categoriza-se pelo “estado passivo” do paciente. No paciente predomina a falta de vontade ou energia para a realização de tarefas, assim como lentidão psicomotora e muito desanimo e tristeza.
  • Distimia: É um tipo de depressão que inicia muitas vezes na adolescência ou início de idade adulta e categoriza-se por uma versão mais leve da doença, porém, mais prolongada, levando anos nesse estado.
  • Depressão Atípica: Neste tipo de depressão, a pessoa em causa mostra sintomas um pouco distintos, tais como aumento de apetite e consequentemente de peso, sensibilidade exagerada à rejeição mas também dificuldade para conciliar o sono e a sonolência.

Neste casos, o tratamento só pode ser o recomendado pelo médico que o examina, pois também só ele consegue fazer um diagnóstico completo do paciente. Por outro lado, há forma de “suavizar” o estado do paciente assim como a prevenção da depressão.

Prevenção

Depois da tempestade, vem a bonança. Aproveite a vida e o que ela tem para oferecer
Depois da tempestade, vem a bonança. Aproveite a vida e o que ela tem para oferecer

Vários hábitos saudáveis são capazes de fazer a diferença entre a ocorrência da doença e a prevenção. Todos estes são hábitos que não só ajudam neste estado clínico, assim como também ajudam na saúde em geral e para um estilo de vida melhor e mais saudável. Sendo assim, estes hábitos são:

  • Uma dieta equilibrada, pois parte da depressão também pode ser défice de nutrientes como o triptofano.
  • Consumo moderado ou nulo de álcool.
  • Não consumir drogas ilícitas e só consumir medicação quando necessário.
  • Criar um habito de sono.
  • Não consumir cafeína em excesso: esta causará a produção de cortisol (hormona do stress).
  • Criar e adotar técnicas para reduzir o stress, com atividades que lhe dão prazer.
  • Praticar atividade física com regularidade. Esta não só também liberta o stress, como vai libertar seratonina e endorfina no organismo.

Concluindo

Muitas vezes as coisas passam-nos ao lado, mas um momento da nossa atenção para com alguém pode chegar a fazer a diferença entre a vida e a morte de alguém. Todos os anos esta doença tira a vida a milhares de pessoas, não deixe que uma dessas seja a sua ou a de alguém que conhece.